chacalog


 

 

 

ELE PRECISA COMEÇAR: UM FELIPE INFINITO.

Fui ver a peça do Felipe Rocha “Ele precisa começar”. É um show de interpretação, de texto, de nuances dramáticas. Que não levam absolutamente a lugar nenhum.

Um dia pensavam que a arte podia levar a algum lugar. Cada movimento que aparecia prometia ser o certo. Que ele seria o caldo knor da quinta essência da arte. Paralelamente a política apresentava suas armas e numa escalada medonha, diagnosticava que o comunismo triunfal ou o livre mercado poderiam enfim, trazer a tão desejada felicidade. Concomitantemente ciência dos baixos instintos explanava que resolvido problemas de ordem orgônica, das repressões no olho do cu do mundo, o homem e a mulher felisseriam. Isso nos dava um sentido.

A peça de Felipe vai ali e chega junto. Uma coisa que nuncomeça... uma peça que nuncacaba. Não quer explicar nada e diz tudo dessa nossa arrogância de querer explicar o inexplicável, de querer dar sentido ao turbilhão, de não encarar de frente o olho da morte. Felipe desconstrói um a um os as partes pudicas do teatro (palco, público, personagens), da narrativa (quem fala?), do espaço cênico (entra o fora, sai o dentro). E dessa angustiante, hilária e cruel dissecação, o que resta ? Um espetáculo espetacular. Aos que buscam uma historinha digestiva para abrir o apetite de um jantar regado ao prazer do blá blá blá, passem longe. Aos que buscam uma chave de braço no teatro com os atores sapateando sobre suas vísceras, esse poderão gostar. Mas Felipe avisa: nada contra apenas eu tentando começar.

Aos que vão em busca de um sentido, continuarão à espera. Sentados.

 

Felipe tem estrada gloriosa. De músico extraordinário, autor de belíssimas trilhas para dança, teatro, poemas, à integrante do seminal Brasov, uma gang de mafiosos romenos que assalta nossos palcos vezenquando, a saltimbanco na Intrépida Troupe e na Companhia de Dani Lima, a ator na Companhia dos Atores, dirigida por Enrique Diaz . Felipe não é de hoje, já ta na pista há muito tempo. Agora vai, fazer de suas confuscas, de seu requeijão, uma arte que não se quer redentora, nem se quer repetitiva. Apenas uma forma corajosa e histriônica de driblar o sentido. A vida tem muitas mãos. E o dedo que aponta é o dedo que erra.



Escrito por chacal às 09h50
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, GAVEA, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, English, Livros, Música
Outro -



Meu humor



Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 cooperifa / sergio vaz
 bendita palavra maldita
 cep 20.000
 ubuweb
 mario bortolotto
 fernanda d'umbra
 cemitério de automóveis
 ademir assunção
 radiocaos
 cronópios
 daniel soares / dudu pereira
 ivana arruda leite
 márcio américo
 thadeu wojciechowski
 cão danado - cássio amaral
 sensívelldesafio
 cléo de paris
 lorena poema
 marcelo sahea
 simone kaplan
 cecília-borges
 sobrecasaca
 numa noite qualquer
 raul mourão
 orfanato portátil - marcelo montenegro
 paulo scott
 a dobradura / alice sant'anna
 pat lopes
 carol luiza
 BAILINHO
 paulo pessoa
 inverno de julho
 eu e minha bicicleta
 jaguadarte
 as escolhas afectivas
 pseudopop / ledusha
 ERRATICA
 leminiskata / solda
 big city small town / edkuma
 dado / febril
 danislau também
 marcelo noah
 girassóis e vinho tinto
 ENTRE SÉRGIO PORTO
 cidadão do mundo / são caetano